Decorar + harmonia = Bem Estar

sexta-feira, 24 de junho de 2011

A crença é o caminho do covarde

 

Uma vez um novato perguntou a um mestre zen: "Mestre, qual é o primeiro princípio?"
Sem hesitação o mestre replicou: "Se eu lhe dissesse, ele se tornaria o segundo princípio".
O primeiro princípio não pode ser dito. A coisa mais importante não pode ser dita, e o que pode ser dito não será o primeiro princípio. No momento em que a verdade é proferida, ela se torna uma mentira; o próprio ato de proferi-la é uma falsificação.

Assim, todas as escrituras de todas as religiões só contêm o segundo princípio, não o primeiro princípio. Elas contêm mentiras, não a verdade, porque a verdade não pode estar contida em nenhuma palavra, qualquer que ela seja. A verdade só pode ser conhecida por meio da experiência. A verdade pode ser vivida, mas não há um modo de se dizê-la.

A palavra é um eco muito, muito distante da experiência real. Ela está tão distante do real que é mesmo pior do que o irreal porque pode lhe dar uma falsa confiança. Pode lhe oferecer uma falsa promessa. Você pode acreditar nela, e esse é o problema.

Se você começa a acreditar em algum dogma, você vai continuar não alcançando a verdade. A verdade tem de ser conhecida por experiência. Nenhuma crença pode ajudá-lo nesse caminho; todas as crenças são barreiras.

Todas as religiões são contra a religião — tem de ser assim pela própria natureza das coisas. Todas as igrejas são contra Deus. As igrejas existem porque preenchem uma certa necessidade. A necessidade é que as pessoas não querem fazer nenhum esforço; elas querem expedientes fáceis. A crença é um expediente fácil.

O caminho para a verdade é difícil; é uma tarefa penosa. É preciso passar pela morte total — é preciso destruir completamente o próprio eu; só assim se dá o novo nascimento. A ressurreição só vem depois da crucificação.

Para evitar a crucificação nós criamos crenças. Crenças custam muito pouco. Você pode acreditar e permanecer a mesma pessoa. Pode seguir adiante acreditando, e não se exige nenhuma mudança básica em seu padrão de vida. Não exige nenhuma mudança em sua mente e, a menos que sua mente mude, a crença não passa de um brinquedo.Você pode brincar com ela, pode se enganar com ela, mas ela não vai alimentá-lo.

Pense numa criança que esteja brincando no jardim de casa, brincando com leões imaginários e, de repente, ela tem de encarar um leão de verdade que fugiu do zoológico. Agora ela não sabe o que fazer. Está aterrorizada e fora de si. Está paralisada; não consegue nem mesmo correr. Ela estava totalmente à vontade com o imaginário, mas com o real ela não sabe o que fazer.

Essa é a situação de todos os que seguem brincando com crenças, conceitos, filosofias, teologias. Fazem perguntas só por fazer. A resposta é a última coisa em que estão interessados. Eles não querem a resposta. Continuam brincando com as perguntas, e cada resposta os ajuda a criar novas perguntas. Cada resposta não passa de um trampolim para mais questões.

A verdade não é uma pergunta. É uma jornada! Não é intelectual. Ela é existencial. A inquirição é uma aposta, uma aposta com sua vida. É preciso muita coragem. A crença não precisa de coragem. A crença é o caminho do covarde. Se você for um cristão, um hindu ou um maometano, você é um covarde. Você está evitando o leão real, está fugindo do leão real.

Se você quer enfrentar o real, então não há necessidade de ir a qualquer igreja, não é preciso procurar nenhum padre, porque o real o rodeia por dentro e por fora. Você pode enfrentá-lo — ele já está ali.

Osho, em "Zen: Sua História e Seus Ensinamentos"
Imagem por nasrulekram

Nenhum comentário: